Amamentação: proteção e nutrição física e emocional.

Como o bebê aprende a mastigar?

8321 Views 0 Comment

Durante a gestação, por volta de 11 semanas, surge o reflexo de deglutição. O  feto passa a engolir o líquido amniótico e receber o sabor de todos os alimentos ingeridos pela mãe por meio do flavor, que continuará a ser transmitido no leite materno. Nesse momento tem início algumas das preferências alimentares que ele terá por toda a sua vida, por isso a importância de uma alimentação saudável e variada.

 

Entre 18 e 24 semanas de gestação, surge o reflexo de sucção. O bebê começa a sugar seu dedo ou o cordão umbilical e, com 28 semanas, a sucção está bem desenvolvida. Com 33-34 semanas, a coordenação entre sucção e deglutição ocorre para que, ao nascer, ele esteja pronto para a amamentação.

 

Com o nascimento, surge o reflexo de procura (para a pega da mama) e este reflexo acompanhará o bebê até aproximadamente 6 meses, quando será inibido. Da mesma forma acontece com o reflexo de sucção; com 4-6 meses ele é inibido, se torna voluntário e permite que o bebê comece a alimentação complementar e aprenda a mastigar.

 

Além dos reflexos de alimentação já citados, o bebê também apresenta, desde o nascimento, reflexos de proteção à alimentação: mordida (que ocorre com o preenchimento gástrico, impedindo que o bebê continue mamando e chegue a vomitar), o gag ou náusea (reflexo anteriorizado no bebê, que promove o retorno do alimento à cavidade oral, especialmente se não bem deglutido e não deve ser confundido com engasgo, pois a respiração se mantém), o vômito (retorno do conteúdo gástrico, por excesso/má digestão/contaminação) e a tosse, que defende as vias aéreas da entrada de partículas de alimento.

 

Por volta dos 6 meses surge a mordida fásica e permite o início da mastigação, que é um ato aprendido. Com poucos dentes ainda, o bebê começa a mascar os alimentos e muitas vezes pode degluti-los quase inteiros, por isso a importância do gag. Os movimentos são, inicialmente, verticais, com abertura e fechamento da boca.

 

Importante destacar que, durante a amamentação exclusiva, a língua do bebê se mantinha anteriorizada para a pega e ordena do leite materno e, no início da mastigação esta postura ainda se mantém até que o bebê aprenda que sua língua deverá posteriorizar, por isso, muitas mães referem que o bebê não gosta dos alimentos porque joga-os para fora da cavidade oral com a língua. Esse comportamento é completamente normal e, com o aprendizado da mastigação, ele passará a movimentar o bolo alimentar dentro da cavidade oral.

 

Tanto com o método tradicional quando com o BLW o bebê projeta inicialmente a língua e depois aprende a retrai-la e a movimentar o bolo, porém o método BLW é o que mais estimula a musculatura mastigatória, a gustação, o controle oral. Permite que o bebê sinta os sabores, texturas, consistências e coma o que quiser, o quanto quiser. Além de promover melhor aprendizado da mastigação, ainda favorece o desenvolvimento motor. Com o treino, o bebê passará para movimentos laterais de mandíbula e rotatórios. A língua terá maior controle para movimentar o bolo na cavidade oral, de um lado a outro e para a região posterior, para ser deglutido. Com 1 ano a 1 ano e meio aproximadamente, a criança já terá condições de se alimentar com os alimentos da família, pois terá adquirido o padrão adulto de mastigação.

 

Como a amamentação mobiliza os mesmos músculos que serão utilizados para mastigar, favorece o crescimento facial harmônico e também facilita a aceitação dos alimentos (por causa do flavor que transferiu os sabores durante toda a gestação e período da lactação) é considerada a preparação para a mastigação correta! Ao iniciar a alimentação complementar, aos 6 meses, mantenha a amamentação até 2 anos ou mais, para a saúde física, emocional e oral!

0 Comments

Leave a Comment