Amamentação: proteção e nutrição física e emocional.

Perguntas e respostas sobre amamentação: indicação de fórmula

840 Views 0 Comment

Pergunta: Meu bebê tem recomendação de utilizar fórmula para complementação. O que faço?

Resposta: Antes de mais nada, é importante buscar apoio profissional para avaliar pega, posição, técnica da amamentação, verificar a produção láctea, verificar as condições de saúde do bebê.

Em seguida, ao se detectar alguma dificuldade, tentar a solução com uso do próprio leite da mãe. Há técnicas para aumentar a produção, estimular mais a mama, favorecer a ordenha do bebê e até mesmo solucionar dificuldades orais.  Além disso, o diagnóstido de saúde do bebê é imprescindível, já que doenças como refluxo gastroesofágico, infecção urinária, alergia à proteína do leite de vaca, entre outros, podem dificultar o ganho de peso.

A ordenha frequente das mamas, estoque de leite materno, uso de translactação ou copo para oferecimento do próprio leite são algumas das técnicas mais utilizadas, mas é importante passar por uma avaliação.

Em algumas situações, infelizmente, pode ser necessária complementação com fórmula, mas esta deve ser a última opção. Sempre é aconselhável encontrar um Consultor em Aleitamento Materno para tentar evitar o uso desse tipo de leite, mas se houver necessidade, seu uso pode ser temporário e o profissional, juntamente com a família, trabalharão para retirá-lo o mais rapidamente possível.

Se há indicação médica, a saída é sempre oferecer primeiro o peito, de preferência as duas mamas e depois só completar com a fórmula, para que o mínimo possível seja oferecido, e a recomendação do Ministério da Saúde é que seja sempre oferecido por copos ou xícaras, nunca por mamadeiras, pois qualquer bico artificial oferecido para o bebê amamentado inicia um processo de desmame, ou seja, de parada do aleitamento materno, pois a sucção do bebê é completamente diferente no peito e no bico e, geralmente, o bebê começa o processo aceitando os dois, mas como tempo prefere o bico e rejeita o peito.

O profissional deve sempre manter comunicação com o médico ou profissional que recomendou o uso da fórmula, para que, em conjunto, determinem a melhor forma e o melhor momento para sua retirada, mantendo aleitamento materno exclusivo em livre demanda.

Há muitos estudos comprovando que o bebê acaba por abandonar o leite materno, que é tão importante para ele, em todos os aspectos. Para evitar isso, o uso do copinho ou translactação evita esse desmame, pode ser utilizado com facilidade, mas exige cuidado.