Amamentação: proteção e nutrição física e emocional.

As mamas caem com a amamentação: verdade ou mito?

5400 Views 0 Comment

Ainda existe a ideia, no imaginário feminino e até no masculino, que as mamas caem com a amamentação. A ideia é de que com a lactação há consequente aumento do volume das mamas e com o desmame, a flacidez seria inevitável, causando a queda das mamas. Dessa forma, muitas mulheres tem medo de amamentar e muitos homens não incentivam que suas mulheres amamentem por medo da flacidez.

 

Será que isso é verdadeiro ou mito? Certamente é um mito.

 

A queda das mamas ou ptose ocorre principalmente por influência genética, ou seja, se na sua família existe tendência para flacidez da pele e ptose, ela ocorrerá amamentando ou não, engravidando ou não. O que interfere é a qualidade da pele e dos ligamentos que dão suporte à mama. Além disso, com o envelhecimento natural existe uma tendência para flacidez e ptose pelo fato de haver redução de elastina, colágeno e ter início a fragilidade dos ligamentos, que começa já na puberdade.

 

Outra questão importante é que ainda que a mulher não amamente, se ela engravidou as mamas já apresentam aumento de volume. Além da genética, o ganho de peso excessivo também pode influenciar na flacidez, por isso é mais importante que a mulher cuide de sua alimentação e ganho de peso na gestação e pós-parto do que tente fazer algo localizado, nas mamas.

 

O que dá o aspecto de volume das mamas é a gordura; quanto mais tecido gorduroso, maior o volume, já que o número de alvéolos é o mesmo em todas as mulheres. Além da gordura, a quantidade de tecido conectivo presente nas glândulas mamárias é quem determina a firmeza das mamas.

 

Desta forma, alguns fatores podem favorecer a ptose da mama:

– excesso de peso

– genética

– uso de tabaco, que reduz a elasticidade da pele

– múltiplas gestações

– realização de atividades físicas sem uso de um top justo ou sutiã apropriado

 

Com a menopausa e redução do hormônio estrogênio, as mamas tendem a maior flacidez, pois parte do tecido mamário será substituído por gordura e também porque acontece uma involução glandular, fazendo com que as mamas diminuam de tamanho.

 

As vantagens da amamentação para a saúde da mulher são inúmeras:

– prevenção do câncer de mama

– prevenção de câncer de ovário

– prevenção de câncer de colo de útero

– prevenção de artrite reumatoide

– prevenção de fraturas por osteoporose

– prevenção de nova gestação (vide post sobre Amenorreia Lactacional)

– favorecimento do retorno ao peso pré-gestacional

 

Como os benefícios da amamentação para o bebê e sua mãe são superiores às questões estéticas e como a gestação em si já promove aumento do volume das mamas ainda que a mulher não amamente, a mãe pode tentar evitar a ptose de outras formas possíveis (nos casos evitáveis) e cuidar de suas mamas.

 

Alguns cuidados com as mamas que podem auxiliar na prevenção da ptose:

 

– atividade física para fortalecer a musculatura das costas e peitoral

– alimentação saudável e controle de ganho de peso

– utilizar sutiã adequado para bom suporte das mamas

– perda de peso moderada após a gestação, de forma mais natural possível para evitar a flacidez

– manter a pele das mamas hidratada (com cuidado para não atingir aréola e mamilo)

 

Em algumas situações, ainda que a mulher não amamente, a flacidez ocorrerá e somente poderá ser revertida com cirurgia plástica.

 

A partir das evidências, vale a pena amamentar! As mamas são glândulas destinadas à nutrição do bebê, foram feitas para isso. A mulher pode e deve cuidar das mamas, sempre lembrando que as questões genéticas são mais decisivas na ocorrência da ptose do que a amamentação propriamente dita.

0 Comments

Leave a Comment